Autor:
Categoria:

Concerto na Filadélfia (4 de agosto de 1968) - The Doors - Tudo sobre o show

A história da atuação de The Doors em agosto de 1968 na Filadélfia, Pensilvânia, ou por que Jim Morrison atuou com policiais?

Live Philadelphia 1968 (4 de agosto de 1968) - história do show The Doors

Philadelphia, Pensilvânia, domingo à noite no final de um verão muito quente. As Portas, lideradas por seu escandaloso vocalista Jim Morris, sobem ao palco. Mas desta vez eles estão cercados por um círculo apertado de policiais. Era essa a intenção, ou alguma coisa deu errado?

As Portas em uma sessão fotográfica no Sunset Sound Studios, Los Angeles, em 1968. Foto de Guy Webster.
As Portas em uma sessão fotográfica no Sunset Sound Studios, Los Angeles, em 1968. Foto de Guy Webster.

Vamos voltar

Para entender o contexto desses eventos, é preciso "rebobinar" para alguns dias atrás.

As Portas tinham acabado de retornar ao País Oriental e em 1º de agosto a banda tocou em Bridgeport, Connecticut. Naquela noite, o ar foi eletrificado em antecipação ao furacão e Jim Morrison deu uma performance fantástica. Com os olhos tapados, quase imóvel, ele recitou clara e distintamente letras e canções para o acompanhamento da tempestade iminente. O clima do concerto foi surreal e o público hipnotizado permaneceu completamente silencioso. Depois de "O Galo Vermelho" e "O soldado desconhecido", a platéia deixou o local em silêncio.

2 de agosto

Na noite seguinte, 2 de agosto, a banda já estava em seu estado normal de espírito. Eles foram a banda líder no Super Bowl realizado em Queens.

Nos bastidores, a situação era tensa. Os membros da banda britânica The Who não estavam felizes por não terem sido escolhidos como vocalistas, apesar de estarem no auge de sua popularidade naquele verão. Eles exigiram que o equipamento do The Doors não estivesse no palco durante sua apresentação, que terminou em explosões e violões esmagados. Durante a apresentação de The Who, o palco giratório não funcionou bem, deixando grande parte do público incapaz de ver os artistas e muito aborrecido.

Jim chegou a esse concerto numa limusine com Jack Holliman e Ellen Sander, que mais tarde escreveu sobre Jim da seguinte forma

"Ele era muito louco, muito pouco confiável, muito intelectual e vaidoso. Mas acima de tudo, ele era muito pouco confiável. Ele era um solitário, como todos os escritores, e muitas vezes ficava bêbado. Mas fora do palco, ele era um cara muito legal".

No caminho ele folheou a revista Village Voice e reclamou que estava entediado em Nova York e depois começou a cantarolar "Eleanor Rigby".

Às palavras de Sander sobre ser bastante estranho, Jim apenas respondeu: "Eu tento. Enquanto estavam no trânsito fora da sala de concertos, ele abriu a janela da limusine e conversou com os fãs, convidando-os a virem aos bastidores com ele. Finalmente chegando ao estádio, ele assinou autógrafos e depois desapareceu nos bastidores.

O verdadeiro pesadelo começou quando a banda, após uma hora de atraso, subiu ao palco. Sua passagem pela multidão foi vigiada por um grupo de policiais à paisana. Os policiais conseguiram repelir o primeiro ataque dos fãs no palco, e depois tiveram que formar uma "parede viva". Para chegar à frente da multidão, Jim teve que empurrar seu caminho através das fileiras de policiais.

"Acalme-se!" gritou ele. "Estamos aqui para o longo curso!

Ele gritou, caiu e correu pela borda do palco, e vinte policiais tiveram que afastar os fãs que tentaram agarrá-lo. Ele pontuou sua apresentação de músicas familiares com versos de 'Celebration' e outras poesias surrealistas improvisadas que confundiam a multidão de adolescentes de Long Island.

Quando a polícia começou a empurrar rudemente a multidão para trás, cadeiras de madeira voaram em sua direção. Jim pegou um e o jogou de volta na multidão. A equipe de filmagem continuou a gravar o programa, mas eles tiveram que se esquivar dos destroços dos móveis.

A noite terminou com a canção "The end". Aqueles na platéia que não conseguiam ver o palco gritavam e gritavam com raiva para os que estavam nas cadeiras. Toda a multidão estava zumbindo e animada.

"Shh", disse-lhes Jim. -Ei, sério, silêncio! Você vai arruinar tudo! Shhhh!".

A multidão não parava de gritar. No final do espetáculo, Jim caiu no palco como um tiro, agitando ainda mais os fãs.

Roby Krieger terminou seu set com uma ótima vibração, mas Jim ainda não estava prestes a terminar sua performance. No final, ele foi mal-educado com um dos ventiladores, e este último lançou sua cadeira sobre ele. Centenas de cadeiras voaram no ar quente daquela noite agitada. Jim continuou dançando e rindo histericamente, e quando a polícia tentou afastá-lo, ele se deitou no palco e se recusou a se mover. Eventualmente, os guarda-costas entraram e levaram a banda inteira para os bastidores. A noite terminou com inúmeras prisões e ferimentos. No dia seguinte, os eventos foram noticiados na imprensa.

Pete Townsend, o odioso guitarrista do The Who, observava de lado. Ele ficou impressionado com a maneira como Jim Morrison observava, despreocupado, enquanto seus guarda-costas espancavam adolescentes que queriam chegar perto dele.

Ele pensou ter visto tudo, mas ainda estava surpreso como Jim conseguiu manipular o humor da multidão de forma calculada, levando-os da euforia ao caos total. Pouco depois, Pete escreveu uma canção chamada 'Sally Simpson' em homenagem a Jim.

Nos bastidores, enquanto a equipe de filmagem limpava seus equipamentos, Jim consolou uma adolescente que tinha sido acidentalmente esmagada na cabeça por uma cadeira voadora. O sangue jorrava da ferida em seu rosto, e a menina tentou parar as lágrimas. Jim a abraçou, olhou para dentro da câmera e disse com um sorriso irônico: "Aí está sua democracia". Não se pode dizer quem bateu nela com a cadeira". Ele limpou gentilmente o sangue do rosto dela e disse suavemente: "O sangue já está coagulando... Ela era apenas uma espectadora inocente".

3 de agosto

Naquele dia, a canção "Hello, I love you" tornou-se um sucesso e gritou dos alto-falantes de, literalmente, todos os carros do país.

Naquela noite, a banda tocou em uma sala de concertos em Cleveland. Novamente havia uma equipe de filmagem com eles. Jim veio ao concerto bêbado e transformou todo o show em um verdadeiro caos. Krieger tentou afogar o discurso incoerente de Jim com solos de guitarra brilhantes, mas isto incomodou Jim. "Se eu não consigo me ouvir, vou dar um tiro em alguém da multidão", gritou ele para sua banda. Então Morrison pulou todas as suas partes em "Quando a música acabar".

No final da apresentação, Jim subitamente mergulhou na multidão com seu microfone. Começou um jogo de futebol, com Jim como a bola. Durante todo o tempo, viajando através dos braços, ele gritou "Vamos lá! Vamos lá!". Quando ele voltou ao palco, sua voz já havia desaparecido. A banda terminou com "Acenda minha fogueira" e saiu correndo do palco.

A multidão cantou o nome de Jim por muito tempo, e quando ele nunca mais apareceu eles começaram a jogar cadeiras novamente e quebrar portas em farpas, e a noite inteira se tornou um ato de destruição sem sentido.

4 de agosto

Agora é a hora do show final. E a aparição da banda com uma escolta policial não parece mais estranha, mas bastante razoável.

Aquela noite quente de domingo foi ótima. Jim parecia sóbrio e de pé no grande palco da arena de hóquei até mesmo pediu para a multidão bagunceira ser gentil com os jovens policiais que guardam o palco.

O "Backdoor Man" fluiu sem problemas para "Five to One". Jim voltou para as sombras, deixando Robbie fazer um solo brilhante, que logo se transformou em uma parte de flamenco da "caravana espanhola".

"O que você quer ouvir?" gritou Jim para a multidão. Quando centenas de pessoas começaram a gritar seus desejos, Jim interjeitou novamente: "Um de cada vez, por favor. Não consigo ouvi-lo".

Após uma rápida interpretação de "Olá, eu te amo", a banda cantou "Acorde!" e "Acenda meu fogo", durante a qual Jim dançou e pulou ao redor de Mike como um homem engolido pelas chamas.

A multidão tentou invadir o palco, mas a polícia vigiou com segurança o perímetro até que a banda terminou sua apresentação e fugiu do palco.

Durante o restante do mês, o grupo decidiu tirar algum tempo de folga. Obviamente, o cérebro de Jim já estava se vendo com drogas e com os eventos loucos do mês passado. De qualquer forma, seu terceiro álbum, Waiting for the sun, estava vendendo bem por conta própria. De forma bastante inesperada, este álbum ocuparia o primeiro lugar nos Estados Unidos em setembro.

O melhor álbum de Ken Hensley que os fãs do Uriah Heep não ouvem, mas lembrem-se de cor

Tudo sobre "Palavras Orgulhosas em uma Prateleira empoeirada": história da criação, trilhas, sucesso Não é raro que músicos que tocam em uma banda há muito tempo que queiram ir sozinhos. Alguns dos...

Os álbuns mais fortes do rock russo dos anos 90 de acordo com a revista Fuzz Music - Top 6

Os 6 álbuns mais legais de rock russo dos anos 90 de acordo com a Fuzz Music Nos anos 90, a música se encontrava no ponto de virada das eras. Eventos políticos importantes na história da...

Brooke Shields ficou desapontada - a quem George Michael realmente dedicou o "Sussurro Descuidado".

"Sussurro descuidado: O maior sucesso dos anos 80, a história de sua criação e a mente de George Michael O Sussurro Descuidado tocou o coração de milhões de ouvintes de todos os lugares...
Artigos relacionados

Luciano Pavarotti: a história do tenor lírico icônico da Itália

Biografia do cantor italiano Luciano Pavarotti: Infância, carreira, legado A Melodiosa Itália deu ao mundo sua linguagem mais musical e acrescentou muitas cores ao gênero de teatro musical de ópera. Apesar de...

O encantador Emmylou Harris é uma lenda da música country

Cantora country Emmylou Harris: Biografia, arte, discografia, prêmios A música folclórica e country é frequentemente deixada para trás da popularidade de outros gêneros de música, particularmente rock ou hip-hop....

Eles cantavam sobre algo que tocava a todos: «Combinação» - o grupo pop mais quente dos anos 90

Tudo sobre a banda Kombinatsiya: história da criação, concertos, contemporâneos Na virada dos anos 80 e 90, muitas coisas estão mudando no palco nativo. As canções austeras e comoventes foram substituídas por...

Mais do que colegas artistas: bandas icônicas que nunca mudaram de linha

Faixas de rock que nunca mudaram sua formação - lista, fotos e nomes, fatos interessantes A história da música conhece um grande número de bandas de rock. Esta forma de fazer música é atualmente...

Parte 2. «A vida na estrada»: o que Brian Johnson fez em sua velhice

Brian Johnson: carreira e fim da carreira, novos projetos Após o fim de sua carreira, os músicos de rock ou se aposentam e dedicam mais tempo a si mesmos, ou tentam buscar novas...

A mesma canção de «Guarda-costas»: o significado vai mais fundo

Tudo sobre a canção "I Will Always Love You": história da criação, performance, sucesso Acontece frequentemente que entre artistas que interpretam a mesma canção, mas em estilos diferentes,...

Valeriy Didyulya saiu sem música

A musa de Valeriy Didiuli: como a família do músico se separou Muitas vezes os casais de celebridades tentam não tornar públicas as discordâncias dentro da família. Mas, mais cedo ou mais tarde, as celebridades precisam...

O que eu diria é um rock 'n' roll chique de José Feliciano que vai animar qualquer um.

Músico José Feliciano - discografia do grande violonista, trabalho, prêmios Atualmente os músicos latino-americanos estão alcançando um novo nível: conquistam facilmente o palco mundial e adquirem...